A calicevirose é uma doença infecciosa do trato respiratório superior dos gatos. O agente causador da patologia é um vírus altamente contagioso chamado calicevirus felino (CVF). Junto com o herpesvirus felino I (HVF-1), o calicevirus felino é responsável por mais de 80% dos casos de moléstias respiratórias em gatos.

Transmissão

A transmissão do vírus é realizada por contato direto entre animais, principalmente recém-nascidos, pelo fato de possuírem baixa imunidade. É também realizada através dos fômitos (gaiolas, tigelas de comida, cobertores e brinquedos contaminados), e por portadores assintomáticos do CVF, que podem eliminar o vírus durante meses ou até mesmo por anos.

O vírus pode se manifestar de duas formas. Uma forma branda, onde os sintomas da calicevirose geralmente se limitam à cavidade oral, passagens nasais e à conjuntiva. Os primeiros sinais que aparecem são anorexia, pirexia, depressão suave, mal-estar, rinite leve e conjuntivite moderada . Ulcerações orais e em ponta de nariz são comuns.

A outra forma é mais virulenta (pneumotropica), e causa pirexia, anorexia, depressão severa e pneumonia intersticial viral. Essa forma da doença é especialmente grave em gatos recém-nascidos, apresentando alta mortalidade.

Diagnóstico

Para se diagnosticar a patologia, é necessária a realização da avaliação dos sinais clínicos, mas a confirmação definitiva depende do isolamento do CVF em cultura de tecido em monocamada, de materiais obtidos da orofaringe.

Tratamento

O tratamento da doença em animais com sinais respiratórios brandos deve ser feito fora das instalações hospitalares para se evitar a disseminação do vírus. Infecções bacterianas secundárias são tratadas com antibióticos como a ampicilina (20 mg/Kg, t.d.i., via oral por 7 a 10 dias). Animais com anorexia necessitam receber uma suplementação de vitaminas (vitamina A e complexo B). As ulcerações orais não requerem tratamento, pois a maioria cura-se espontaneamente. É recomendado que os gatos sejam mantidos em ambientes limpos e aquecidos. O uso de vaporizadores se faz necessário para soltar o muco e desobstruir as vias aéreas entupidas. O animal tem que ser mantido hidratado com fluidos orais ou administração subcutânea de solução eletrolítica isotônica.

Gatos com pneumonia grave podem necessitar de hospitalização e tratamento intensivo com administração de soluções eletrolíticas equilibradas, broncodilatadores, mucolíticos e oxigenioterapia. Antibióticos são recomendados para o controle de infecções bacterianas secundarias. No caso de anorexia prolongada, o animal tem que ser entubado e receber alimentação entérica para suporte nutricional.

Prevenção

A prevenção da infecção respiratória por CVF é feita por meio de vacinas que oferecem uma proteção boa contra o calicevirus. Para se controlar a disseminação da doença em gatis, deve se levar em conta uma série de medidas: Vacinação de todos os gatos rotineiramente, evitar a chegada de gatos provenientes de fontes infectadas, desmame dos filhotes entre quatro e cinco semanas e cria-los em isolamento, evitar a superpopulação, ventilação adequada, controle da umidade em cerca de 50%, e fômites separados.


Luiz Gustavo Fabris – Estagiário

Dr. Sidney Piesco de Oliveira – Orientador