A Babesiose é uma enfermidade causada por um hematozoário (Babesia canis). A doença é transmitida pelo carrapato de cachorro, o Rhipicephalus sanguineus, sendo um parasita que vive no interior da célula sanguínea e se reproduz assexuadamente. Pode-se encontrar dois, quatro ou mais parasitas em uma única célula. As células sanguíneas infectadas rompem-se e liberam parasitas que irão se alojar em novas células.

Os sintomas da doença podem variar de acordo com o tipo do parasita, o grau de infecção e as condições do sistema imunológico do cão. Na maioria dos casos é diagnosticado anemia, mas se um grande número de células se romperem ao mesmo tempo pode ocorrer febre, emese, hiporexia, diarréia, icterícia e insuficiência renal. Sangramentos como a rinorragia podem ocorrer devido ao distúrbio de coagulação causado pela enfermidade. Lesões cutâneas também podem aparecer.

Ocasionalmente, células infectadas podem obstruir pequenos vasos sanguíneos e causar anormalidades no sistema nervoso e fraqueza muscular.

O mesmo carrapato pode transmitir a Babesia canis e outros organismos como a Erlichia sp, tornando a doença mais severa.

Ao tornar-se crônica, a enfermidade resulta em repetidas febres e total perda de apetite.

O diagnóstico da doença é feito através dos sinais clínicos e deve, posteriormente, ser confirmado por testes laboratoriais através de esfregaços sanguíneos corados, onde será observada a presença do parasita intracelular.

Drogas específicas são utilizadas no combate da Babesiose, sendo que podem ser eficazes no tratamento da doença, mas podem não eliminar totalmente o parasita do organismo. A reincidência da doença é muito comum.


Marco Antonio Omori - Estagiário

Dr. Sidney Piesco de Oliveira - Orientador